Terceira Idade

Porque minha mãe não sai de casa?

Por 20 de maio de 2019 Sem comentários
Minha mãe não sai de casa

A diminuição da participação social entre idosos em idade avançada é comumente explicada na literatura devido a fatores como declínio da função física, doenças crônicas e/ou falta de mobilidade, porém alguns estudos apresentam outros fatores importantes e que também influenciam negativamente a participação de idosos nas atividades em geral.

Questões sociais, como a falta de companhia para ir a determinados locais são fatores importantes na idade avançada, situações como a viuvez, a perda de membros da família ou de amigos, seja devido a falecimentos ou mudança de moradia, levam o idoso a restringir-se socialmente: pessoas queridas, amigo(a)(s) de longa data desaparecem inesperadamente do seu convívio, deixando no lugar a solidão e muitas vezes a falta de ânimo para se engajar, principalmente que  o processo de recomeçar é difícil para a maiorias dos idosos, tornando sua  rede de contato social reduzida. Muitas vezes a impossibilidade de não ter companhia familiar que o leve até o local do encontro ou da atividade de lazer, seja devido a ocupação de filhos e netos ou até mesmo a falta de interesse dos mesmo em sair com os avós. A falta de locais para que o idoso possa participar socialmente também é um fator que precisa ser considerado, pois no Brasil, há poucos locais para tal convivência, considerando o número atual de idosos e seu constante crescimento.

Dentre os motivos psicológicos, a depressão, a ansiedade, o medo da queda, o “gosto pelo isolamento”, a falta de ânimo para interagir com atividades ou pessoas que não são de seu interesse, talvez o desconforto por serem mais jovens ou por não compartilharem os mesmos interesses. Em algumas situações sentimentos negativos com relação a velhice, de acreditar que não são mais jovens para participar de determinada atividade ou para ir a algum lugar, são fatores preponderantes à participação social do idoso. Neste caso o papel do psicólogo(a) especializado(a) em gerontologia é de fundamental importância, podendo reverter a situação.

Motivos ambientais como barreiras arquitetônicas, tecnológicas ou de acessibilidade via transporte público, também comprometem a interação de idosos, seja por um local que não tenha elevador ou rampa de acesso, locais onde a falta de acesso à tecnologia impedem o bom desempenho de quem frequenta, como por exemplo bares que se utilizam de tablets para que os clientes possam fazer os pedidos. Transportes públicos com degraus altos, vãos largos entre as plataformas e os vagões, ruas esburacadas, semáforos com tempo reduzido, entre outros, dificultam ou impossibilitam o acesso limitando a participação social.

E por fim, motivos econômicos também são significantes, quando faltam recursos financeiros para despesas básicas, a ida ao teatro, ao cinema, e a eventos festivos por exemplo, se tornam necessidades secundárias e descartáveis, apesar de seu grande valor para o bem-estar do idoso.

Muitas vezes mais que 1 destes 4 fatores estão presentes, aumentando ainda mais a dificuldade de interação do idoso. Além disto não estamos considerando as doenças crônicas e as questões de mobilidade, que potencializam ainda mais dificuldades para que o idoso esteja socialmente engajado.

Telma Lucia Mendes
Crp.06/42.115

Deixe uma resposta